A infertilidade é considerada uma doença do sistema reprodutor que é constatada após um período de 12 meses de tentativas de gravidez sem sucesso, em que o casal manteve relações sexuais sem a utilização de nenhum método contraceptivo. Atualmente, estima-se que a infertilidade atinja 10% a 20% dos casais em idade reprodutiva, independentemente de suas origens étnicas ou sociais.

Em 30% dos casais que não conseguem engravidar, o homem é o único responsável pela causa da infertilidade, sendo que causas femininas associadas às masculinas ocorrem em 20% dos casos. Sendo assim, pode-se dizer que problemas masculinos estão presentes em cerca de 50% dos casais inférteis. Pelo fato de os problemas masculinos serem tão comuns, é essencial a investigação adequada do homem infértil.

O espermograma é o principal exame de avaliação, sendo na maioria das vezes o primeiro a ser solicitado na investigação do homem infértil. Cerca de 80% dos homens com dificuldade de engravidar suas esposas apresentam baixa concentração dos espermatozoides associada à diminuição da motilidade e/ou alteração da sua morfologia.

O espermograma é um exame altamente variável, para um mesmo indivíduo, em dias de coleta diferentes, sendo assim é aconselhável a obtenção de duas análises de sêmen antes que se ofereça uma opinião sobre a condição do paciente. Um período de abstinência de 2 ou 3 dias deve ser respeitado. Alterações no período de abstinência podem invalidar comparações entre as análises. A coleta do exame deve ser realizada no laboratório ou clínica de reprodução através de masturbação e coletado em um recipiente de vidro ou de plástico especial com uma abertura ampla, evitando a perda de material.

Fonte: Portal da Sociedade Brasileira de Urologia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *